Centro de Apoio ao Autista deve ganhar título de utilidade pública em Guarulhos

0
55
A flexibilização do horário valeria para todos os dias da semana, mesmo nos feriados

Os parlamentares da Câmara Municipal estão avaliando uma proposta para concessão do título de utilidade pública ao Centro de Inclusão e Apoio ao Autista de Guarulhos (CIAAG). Nesta quinta-feira, 30 de agosto, o Projeto de Lei 2.158/2018, de autoria do vereador Dr. Laércio Sandes, foi analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e recebeu parecer favorável.

O principal benefício das entidades que têm esse reconhecimento é a isenção de taxas e tributos, como o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O CIAAG oferece atendimento pedagógico e terapêutico através de oficinas especializadas para inclusão da pessoa com transtorno do espectro autista. Entre suas principais finalidades estão a orientação e assistência às famílias e o desenvolvimento de atividades esportivas, de lazer, cultura e recreação.

Outros sete Projetos de Lei foram analisados pela Comissão de Constituição e Justiça. Dois receberam pareceres contrários, um foi arquivado e quatro estão com pareceres pendentes porque aguardam esclarecimentos dos autores quanto aos detalhes que não ficaram explícitos no projeto. Um deles é o PL 2.260/2018, do Executivo, que trata sobre a criação do Conselho e do Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano e instituição do Plano Diretor. A Comissão encaminhará ofício à Prefeitura para esclarecer de que forma foi garantida a participação popular na elaboração da proposta.

O PL 3.297/2017, da vereadora Genilda Sueli Bernardes, que dispõe sobre as feiras orgânicas recebeu parecer contrário por vício de iniciativa. O PL 4.683/2017, do vereador Professor Jesus, que proíbe a venda de narguilé a menores de 18 anos foi arquivado porque é semelhante à Lei Municipal 6.762/2010. E o PL 1.688/2017, de Dr. Eduardo Carneiro, que introduz alterações na Lei 3.573/1990 sobre a proibição de fogos de artifício foi reavaliado pela Comissão por haver projeto semelhante na Casa, mas o parecer contrário foi mantido já que é de competência privativa da União legislar sobre esse tema.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here